Você sabe o que é o Efeito Nadir durante a quimioterapia?

Muita gente não sabe o que é o efeito Nadir e que ele é o responsável pelo paciente ficar com o sistema imunológico baixo (Imunodeprimido).
O Efeito Nadir é o tempo de menor contagem de células do sangue durante a aplicação da quimioterapia (QT). Geralmente o efeito Nadir é entre o 7º ao 14º dia após a aplicação da QT, porém algumas QT podem ter efeito Nadir diferente, assim como alguns pacientes podem não ter recuperação e produzir novas células neste perído e permanecer no efeito Nadir por mais tempo. Durante esse período, o paciente tem uma diminuição significativa das hemácias, plaquetas e dos leucócitos ( principalmente dos neutrófilos que são as principais células que nos defendem contra infecções agudas). Nesse período, o paciente pode ter anemia , plaquetopenia e/ou neutropenia. Se o paciente tiver uma diminuição severa dos neutrófilos , ele pode ter um quadro conhecido como “Neutropenia Febril” e que se não for tratado, pode levar o paciente à morte por infecção. Como identificar esta neutropenia? Na maioria das vezes , o sintoma inicial é febre, que pode vir seguido de calafrios, fadiga e alterações respiratórias. Por isso, qualquer sintoma que apareça , o paciente precisa procurar o seu oncologista o mais rápido possível ou ir até um serviço de emergência.
Neste período, alguns cuidados devem ser reforçados na alimentação deste paciente para evitar possíveis riscos de infecção oportunista;
– O cuidado com a higiene dos alimentos é fundamental, assim como a higiene dos acessórios e das mãos de quem prepara a comida do paciente;
– O paciente deve evitar ao máximo comer na rua. E se isso acontecer, não consumir alimentos crus e nem expostos em buffets;
– O uso dos probióticos durante este período não é recomendado devido a falta de evidência científica mostrado eficácia e segurança dos mesmos;
E o mais importante : estes pacientes precisam ser acompanhados por profissionais capacitados no atendimento em oncologia.

Prevenir Câncer é diferente de Tratar

Prevenir uma doença é bem diferente de tratá-la. E quando falamos de uma doença como o câncer com sua complexidade, é preciso entender que um câncer não aparece da noite para o dia e sim devido a falhas genéticas e/ou mutações que ocorrem nas nossas células por estilo de vida errado que acontecem ao longo dos anos.
É fato que prevenir ainda é o melhor remédio para diminuirmos a chance do aparecimento de um câncer. Evitar o tabaco, álcool, praticar atividade física, manter peso saudável , diminuir o estresse e encher o coração de amor podem ajudar e muito. Mas uma vez a doença instalada ninguém vai fazer com que ela desapareça como milagre porque ela levou anos para se desenvolver. E uma vez o Câncer instalado, o metabolismo da doença leva a uma série de alterações no corpo do indivíduo que precisará ser tratado. Além disso ainda tem toda a parte emocional e psicológica devido ao estigma da doença.
Tratar paciente com câncer não é fácil. Não é simplesmente tirar açúcar da dieta, introduzir probiótico ou prescrever um monte de cápsulas como se isso fosse resolver a doença da noite para o dia.
Um indivíduo com câncer precisará passar por alguns tratamentos que não são fáceis, mas que aumentam a chance de cura SIM. A alimentação faz parte do tratamento e o nutricionista deve estar capacitado para ajudá-lo a suportar melhor todo o tratamento.
Portanto você paciente ou familiar de alguém que te câncer: não se deixe enganar por falsas promessas, fórmulas mágicas. Procure por profissionais capacitados que estejam atentos às suas necessidades e que trabalhem em equipe com seu oncologista principalmente.

Paciente com Câncer não é cobaia!

Cobaia é o nome que se dá a um animal usado em experiências científicas de medicina e biologia para testar a ação benéfica ou maléfica de uma determinada substância. Esses estudos com cobaias são chamados estudos “in vivo” e não são determinantes para afirmar segurança e eficácia de qualquer substância. Após esses estudos, a depender dos resultados, os pesquisadores partem para os estudos chamados ensaios clínicos em Humanos.
Trabalhos em seres humanos com câncer são extremamentes complicados de serem feitos devido à complexidade da doença e do seu tratamento. Testar fitoterápicos e compostos bioativos em pacientes com câncer durante quimioterapia é muito complicado, devido às possíveis interações entre eles. Por isso que AINDA existem poucos estudos que mostrem segurança e eficácia do uso de cápsulas fitoterápicas “milagrosas” para serem usadas durante o tratamento oncológico.
E por que atualmente alguns profissionais insistem em dar aulas mostrando receitas de fórmulas prontas com doses e indicações sem nenhum respaldo científico demonstrando isso? E o que leva aos outros profissionais saírem copiando e prescrevendo essas fórmulas para seus pacientes?
O papel do Nutricionista quando atende o paciente oncológico deve ser focado em COMIDA! Existem uma série de estratégias nutricionais que podem ajudá-lo. Porque a insistência em dar mais e mais comprimidos durante a quimioterapia? Não já basta a quantidade de medicamentos que ele está tomando neste momento?
O paciente com Câncer já está bastante fragilizado com o impacto da doença e do seu tratamento.

Será que ele merece ser tratado como cobaia?

Diarréia durante a quimioterapia- o que fazer?

A diarréia é um dos sintomas mais comuns do paciente que está fazendo quimioterapia. Nem todos os protocolos causam diarréia, mas quando ela aparece, impacta muito a qualidade de vida dos pacientes. É preciso ter cuidado porque a diarréia pode levar a desidratação rapidamente, aumentando a toxicidade dos quimioterápico podendo levar a distúrbios hidro-eletrolíticos sérios e até mesmo a morte.
O paciente quando tem diarréia, a primeira coisa que tem que fazer é avisar ao seu oncologista ou a equipe de enfermagem para que medidas de hidratação sejam tomadas o mais depressa possível.
O uso de medicamentos obstipantes não devem ser usados EXCETO com prescrição médica.
O nutricionista deverá também ser comunicado para que ele possa fazer mudanças na orientação dietética visando melhorar o quadro diarreico.
Existem algumas estratégias nutricionais que podem ser benéficas para este caso:
1. os chás além de ajudar na hidratação, alguns tem ação carminativa , antifermentatica e até obstipante, como : erva doce , camomila , anis estrelado e da entrecasca do coco;
2. Sucos obstipantes como o de maçã , goiaba e limonada irão ajudar na hidratação ;
3. Água de coco e água flavorizada com algumas ervas ;
4. O uso de probióticos deve ser usado em casos específicos e se o paciente estiver imunodeprimido, p seu uso não deve ser estimulado;
5. As fibras solúveis podem ajudar como a aveia. O psyllium, a biomassa da banana verde, a goma de tapioca e alguns prébioticos como o FOS (Fritooligassacarídeos) em baixas doses também podem ajudar.
Essas informações são apenas dicas. Lembre- se sempre que nada substituiu a consulta com o seu nutricionista.

Obesidade Infantil é causada por alimentos processados!

Triste realidade mas o Instituto Nacional do Câncer (INCA) acabou de publicar um posicionamento sobre isso.
Nas últimas décadas, os índices de sobrepeso e obesidade no Brasil cresceram e se tornaram um problema de saúde pública. E o que chama mais atenção é este crescimento na infância e adolescência, que são períodos críticos de desenvolvimento e alterações nesses períodos podem levar ao comprometimento da saúde deles quando adultos. Sabe-se que o aumento de peso nessas faixas etárias aumenta o risco de doenças como o câncer. O INCA chama atenção para o ambiente obesogênico onde a população infantil vive hoje . Vários relatórios da OMS , FAO e outros órgãos apontam os alimentos processados como causa dessa epidemia da obesidade. Alimentos estes , cheios de açúcar, gordura trans, interesterificada ,sal e aditivos químicos. A chegada dos ” Fast Foods” ao Brasil como uma das causas também. O público infantil virou alvo da publicidade destes alimentos processados seduzido pela indústria com propagandas cheias de apelo emocional.
Por isso, a OMS pediu aos governos que assumam a liderança em favor das crianças, criando estratégias para diminuir a exposição a este ambiente obesogênico. Como por exemplo :
– Aumento da tributação de bebidas açucaradas;
– Restrição de publicidade de produtos dirigidos ao público infantil;
– Restrição da oferta de alimentos e bebidas ultraprocessados nas escolas. Os Pais também são responsáveis pelas escolhas alimentares dos seus filhos e programas de educação nutricional devem ser realizados.

Sobre o curso Nutrição e Câncer…

Olá Pessoal! Acho que a melhor divulgação para o meu curso online sobre ” Nutrição e CÂncer : Da Prevenção ao Tratamento” é o depoimento de uma das alunas. Estão abertas as inscrições para a última turma deste ano.
Vejam o vídeo de Ana Paula Coutinho. Ela foi uma das alunas mais aplicadas que tive:
 
https://vimeo.com/230637267

Brasil é o campeão mundial de consumo de agrotóxicos!

Semana passada recebi inúmeras mensagens sobre os ovos contaminados da Holanda. A primeira coisa que pensei e respondi a todos: Os brasileiros precisam se preocupara é com os agrotóxicos vendidos e consumidos no Brasil e não de outros países. Dito e certo. Hoje recebi uma matéria que saiu no jornal online baiano “Correio” falando exatamente a mesma linguagem que a minha.
O Brasil se preocupando com ovo holandês e o “Fipronil”- um pesticida comumente utilizado tanto em cães e gatos no controle de pulgas, carrapatos e piolhos, mas cuja utilização é proibida em aves de granja na União Européia, no Brasil , segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o ativo é autorizado para uso inseticida, formicida e cupinicida especialmente para aplicação no solo no cultivo de batatas, cana-de-açúcar e milho. Além da aplicação nas folhas das culturas de algodão, arroz, eucalipto e soja, dentre outros.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera o fipronil “moderadamente tóxico” para o homem quando usado em grandes quantidades e pode causar vômitos e problemas neurológicos se ingerido em doses elevadas. A substância está presente em vários produtos antiparasitários empregados em animais domésticos, como spray ou coleiras antipulgas. A partir de 30 de setembro a substância já não mais será vendida porque sua produção será suspensa.
A realidade do Brasil é muito pior do que apenas ovos contaminados por “fipronil”. Somos o campeão mundial de consumo de agrotóxicos. Os alimentos que mais tem agrotóxicos no Brasil, conforme lista da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), são: soja (40%), milho (15%), cana-de-açúcar e algodão (10% cada), cítricos (7%), café, trigo e arroz (3 cada%), feijão (2%), batata (1%), tomate (1%) maçã (0,5%) e banana (0,2%).
Portanto gente, vamos olhar para o nosso próprio umbigo e lutar por comida limpa. Essa situaçao no Brasil é muito grave e só o povo que pode mudar essa situação cobrando do governo medidas para garantir a saúde da população. #dicadebemnutrition

Paciente com câncer pode comer tudo?

O paciente geralmente pergunta ao seu oncologista : “Dr. eu posso comer tudo ?” E muitos médicos ao invés de dizer : “procure um nutricionista” dizem :” pode comer até pedra”. Isso é um erro!
1. Os pacientes com câncer muitas vezes já vem com um estilo de vida errrado que pode ter sido um dos fatores que levou ao desenvolvimento do câncer ;
2. Muitos pacientes realizam cirurgias que envolvem alterações das funções do aparelho digestivo, levando-os a desconfortos e a não aceitação de uma dieta livre;
3. Muitos pacientes irão fazer quimioterapia que causa efeitos colaterais que impactam na aceitação da alimentação.
Portanto, a resposta dessa pergunta é que DEPENDE! O paciente com câncer precisa de uma acompanhamento nutricional individualizado, focado nos seus sinais e sintomas e o mais importante : uma mudança no seu estilo de vida de forma a se tornar mais saudável e sustentável por toda a vida. Inclusive como prevenção para que não tenha uma recidiva no futuro ou um novo diagnóstico de outro câncer .
Uma alimentação saudável e individualizada pode fazer toda a diferença no tratamento destes pacientes, assim como ajudar na prevenção de um novo câncer.

Uso de Glutamina em câncer

Sempre me perguntam no meu curso online sobre o uso de glutamina em pacientes oncológicos. Será que podemos usar em todas as situações? Será que é seguro usar? Melhora mucosite e diarréia em quimioterapia? Estas são perguntas que não são fáceis de responder.
Glutamina é um aminoácido que é muito utilizado como “combustível” para células de replicação rápida como as do sistema imunológico, do intestino e das mucosas. Porém, as células do câncer tem as mesmas características destas citadas. O câncer tem intenso metabolismo porque são ávidas em se multiplicarem. Durante o tratamento oncológico como a quimioterapia, o paciente apresenta efeitos colaterais como mucosite (inflamação das mucosas) e diarréia. Diversos trabalhos mostram que há um benefício do uso de glutamina nestes casos MAS será que é seguro? Será que as células do câncer também não utilizam essa mesma glutamina? Não se sabe até hoje! Porque não existem trabalhos mostrando a segurança deste uso. Por outro lado , já existem trabalhos mostrando que as células do câncer podem utilizar a glutamina como substrato energético.
Então o que fazer? Eu sempre acreditei no bom senso. Não existe apenas glutamina para tratarmos mucosite e diarréia do paciente. Cada caso é único. Por isso:
– Não devemos usar glutamina em pó isoladamente para pacientes com câncer;
– Prefira glutamina adicionada já em suplementos alimentares completos ou a sua forma natural dentro de alimentos . O Ovo é uma boa fonte de glutamina;
– A glutamina pode ser uma boa estratégia em pré-operatório, onde o tumor será removido ou em casos bem selecionados após o término do tratamento. Mas só deve ser usado em curto período de tempo e em casos bem selecionados.
O mais importante é o paciente ter um adequado acompanhamento nutricional com um profisisonal capacitado. Ele saberá ajudar a minimizar os efeitos colaterais da quimioterapia sem colocar em risco o prognóstico dele. Existem outras estratégias para ajudar a tratar mucosite diarréia. Na dúvida da segurança do uso , devemos optar sempre em ajudar o paciente melhorar a sua qualidade, assim como ajudar a melhorar o seu prognóstico de vida.

Falta de apetite no paciente com Câncer

A falta de apetite, também chamada de anorexia é um dos principais sintomas do paciente oncológico desde o diagnóstico até o tratamento oncológico.
Essa anorexia é devido à 3 fatores :
1. A própria doença com suas alterações metabólicas ;
2. Alteração do paladar (disgeusia);
3. Alteração, perda ou hipersensibilidade do olfato ( disosmia, anosmia ou hiperosmia).
Aqui estão 5 dicas para ajudar:
1. Flavorizar a água : colocar gotinhas de limão 🍋, folhinhas de hortelã 🌱 ou até mesmo pedacinhos de frutas;
2. O apoio da família é importante no preparo das refeições e assim o paciente fica mais tempo afastado da cozinha e do cheiro dos alimentos. Manter a porta da cozinha fechada durante o preparo da comida também ajuda;
3. Lavar a boca antes das refeições. Usar bicarbonato de sódio e chá de camomila para bochecho ajuda a remover um pouco o sabor amargo da boca;
4. Consumir pequenas refeições mais vezes ao dia. Quem está sem apetite não aceita grandes volumes;
5. Mudar a consistência da dieta para pastosa e abusar um pouco mais das sopas , cremes e vitaminas. Enriquecer essas preparações com suplementos hipercalóricoa e hiperproteicos também pode ajudar.
Lembre-se : aqui são apenas dicas . Nada substitui a consulta com um bom nutricionista da área.
Procure um perto de você!